Google+ Followers

domingo, 20 de janeiro de 2013

Poema desconexo


Quando penso que me conheço
Finjo que sou Tempo e esqueço

O poeta escreve sem saber a quem
Acreditando sentir no peito
Uma inspiração de além

Nunca fui assim de mentir
aprendi com a vaidade
Que a melhor forma de confundir
É falar a verdade 

Há momentos na vida
Que tenho tantos afazeres
Que escolho não fazer nada
Para não perder meu tempo
Fazendo a coisa errada.

Pedro Paiva

Nenhum comentário:

Postar um comentário